Sobre as Máscaras Cirúrgicas

O controlo eficaz de infecções na prática dentária, em hospitais e em clínicas requer o uso de equipamentos adequados para os seus procedimentos diários. Apesar de as máscaras cirúrgicas serem um equipamento essencial de protecção pessoal, muitos trabalhadores do sector da saúde não têm em conta as suas importantes características e limitações. Há algumas características específicas que devem ser avaliadas ao selecionar a máscara certa para si.

Leia os rótulos. Certifique-se de que a sua máscara satisfaz os requisitos de eficácia em termos de filtração. Não se perca nas informações técnicas; tente concentrar-se no essencial e reconhecer as normas que devem ser cumpridas.

Escolha o mais adequado para si. Aqui estão algumas características a verificar:

Escolha o melhor em termos de conforto, ajuste e proteção.
Escolha a máscara com maior eficiência de filtração bacteriológica (BFE) para beneficiar de uma melhor proteção.
Selecione uma máscara que lhe permita respirar confortavelmente. Isso irá reduzir a acumulação de humidade no interior da máscara.
Procure um ajuste nasal confortável que se mantenha no lugar.
Certifique-se de que a máscara é feita de um material que não irrita a pele nem causa uma reação alérgica.
Teste as bandas elásticas ou as tiras para assegurar que a máscara fica ajustada, mas sem as puxar nem exercer pressão.
Escolha a máscara mais adequada ao procedimento específico (alguns procedimentos que envolvem uma grande exposição a fluidos, poeiras, fibras ou tratamentos cirúrgicos podem requerer máscaras ou um nível de protecção diferentes).

Alergias. Para evitar reações alérgicas – selecione uma máscara de qualidade feita de material sem látex e fibra de vidro. Algumas pessoas podem ter alergias a material TNT (tecido não tecido), devendo por isso considerar a utilização de máscaras com um revestimento interno mais suave para minimizar este problema. As máscaras PREVMASK concebidas para pele sensível, são uma solução eficaz para estes casos.

Com que frequência deverá substituir a sua máscara?

A cada 20 minutos durante procedimentos que geram uma grande exposição a fluidos (a máscara, se utilizada por longos períodos de tempo, perde a sua qualidade protetora).
Após uma hora de utilização normal.
Substituir sempre a máscara com cada paciente.

Importante: evite reutilizar máscaras faciais descartáveis. Estas não deverão ser partilhadas uma vez que podem estar contaminadas com germes (vírus e bactérias) que se podem espalhar entre os trabalhadores. Se a sua máscara estiver danificada ou manchada, ou se for difícil respirar através da máscara, deverá removê-la, eliminá-la de forma segura, lavar as mãos e aplicar uma nova máscara.

Norma Europeia EN 14683:2019

Informe-se. Compare as alegações das várias marcas de forma a compreender melhor os benefícios de cada uma. Leia sobre como melhorar a sua protecção pessoal.
Afinal, trata-se da sua saúde e segurança!

Há três métodos de teste que são utilizados para classificar as máscaras cirúrgicas:

1. Eficiência de Filtração Bacteriológica in vitro (BFE)
Este teste é utilizado para determinar a quantidade de agente infeccioso que fica retido pela máscara facial cirúrgica, estando diretamente relacionado com a quantidade de bactérias que são libertadas para o ar através da máscara. Uma percentagem elevada de BFE indica um maior nível de proteção para o paciente contra agentes infecciosos de um profissional de saúde.

2. Resistência à Respiração (∆P)
Este teste é utilizado para determinar a resistência da máscara facial ao fluxo de ar. Um nível de resistência inferior indica um melhor nível de conforto para o utilizador. Isto significa que a máscara fica mais fresca e facilita a respiração através da mesma. A máscara também irá manter a sua forma mais facilmente uma vez que a pressão no material é mais reduzida.

3. Resistência a Salpicos
Este teste é utilizado para determinar a resistência à penetração de salpicos por fluidos potencialmente contaminados. Uma resistência a salpicos mais elevada significa que a máscara irá proteger o utilizador de uma forma mais eficaz contra gotículas contaminadas durante um procedimento cirúrgico.